O que mudou na vida de Vitor Jablonski

Ex-aluno do Universitário, Vitor Jablonski, conquista a tão almejada vaga na UFRGS no curso de Medicina.
Depois de muita persistência em seus estudos, consegue a sua vitória.

UNIVERSITÁRIO: Quando você decidiu fazer vestibular para Medicina e quantas vezes (quantos anos) você prestou os exames?

VITOR: Antes de tentar Medicina, prestei vestibular para Biologia. Cheguei a cursar dois semestres. Fiz trabalhos científicos que tinham relação com a saúde e a área médica, mas não gostei de Biologia. Reuni minha experiência em trabalhos com a iniciação científica e resolvi optar pela Medicina.

UNIVERSITÁRIO: Durante a preparação para as provas, sua rotina se alterou? Teve que abrir mão de muitas coisas?

VITOR: A rotina muda. Durante a preparação, o método de estudo se altera. Tu vai observando o que soma ou não na forma de estudar. Nos primeiros anos, eu acho que foquei muito em quantidade. Não me conhecia muito bem. E não conseguia estudar por muitas horas seguidas. O tempo foi passando, e descobri que estudar com rotina e com frequência me facilitava a capacidade de compreensão. Criei maturidade para estudar, descobrindo como focar no que é certo e descartar o que é errado. Abri mão de algumas coisas, devido à rotina de estudos. Às vezes, tu estás cansado, sem vontade de estudar, mas não há saída. Assistir à televisão, a um filme ou sair frequentemente não pode fazer parte de sua rotina, deve ser algo esporádico, pois a tua rotina é o estudo e não essas coisas, tem que se ter prioridade.

UNIVERSITÁRIO: Que dicas você daria para quem está se preparando para um vestibular difícil? Algum plano de estudo? Alguma dica que funcionou muito contigo?

VITOR: O principal é aprender a manter a calma. Normalmente, em vestibulares ou em concursos difíceis, o aluno se coloca muita pressão e isso é uma coisa que eu percebi ao longo dos anos de cursinho: tentar controlar essa pressão, tentar controlar o nervosismo, seja na semana da prova, seja na hora da prova e levar uma rotina saudável. Outra dica, que pra mim funcionou bastante e que eu aprendi no terceiro ano de cursinho, é fazer fichas resumos, pois sou uma pessoa com boa memória visual. Então, escreever e fazer uma ficha-resumo bem feita me ajudava a gravar. Quando tu escreve, tu fixa o conteúdo, utiliza cores de canetas, marca textos. Usei tudo que pudesse deixar minha ficha-resumo com destaques diferenciais para os conteúdos. Mas, em geral, a dica é manter o foco, se manter calmo durante o ano, trabalhar com o cansaço, com o estresse e com a motivação. Isso é muito difícil. O importante é descobrir seu próprio método de estudo.

UNIVERSITÁRIO: Qual a importância do UNIVERSITÁRIO na construção da tua aprovação?

VITOR: Na construção da minha aprovação, o me ajudou com o apoio. Sempre me senti muito apoiado pelos professores, pelos diretores e, enfim, colegas de trabalho. Isso é fator importante na construção da aprovação, pois te sentir apoiado te dá expectativa e vontade de estudar. Os professores sempre foram muito disponíveis, tirando dúvidas e se tornando amigos. Isso ajuda muito.

UNIVERSITÁRIO: É importante corrigir a rota e crescer no mesmo curso ou tu achas que é produtivo ficar trocando de cursinho?

VITOR: Eu gostei da proposta do curso. Acho que o apoio dos professores e dos diretores me cativou bastante. Pela qualidade das aulas, tu consegue ver o que o curso está te oferecendo. Fiz o UNIVERSITÁRIO durante três anos. Todo ano, o UNIVERSITÁRIO trazia inovações, propostas diferentes, que seriam úteis e me ajudariam a crescer ainda mais. Então, optei pelo UNIVERSITÁRIO novamente.

UNIVERSITÁRIO: Como você se sentiu no dia que ficou sabendo da sua aprovação?

VITOR: No primeiro momento, tu não acredita, tu fica em dúvida: “Será que eu passei mesmo? Será?” Sei lá, parece um sonho. Então, demora muito tempo para cair a ficha. Mas a felicidade, à medida que tu vai percebendo que realmente, depois de tudo que tu passou, tu conseguiu chegar ao teu objetivo, a felicidade é muito grande para ti e para tua família. É muito bom.

UNIVERSITÁRIO: Tens alguma ideia de especialização em Medicina?

VITOR: Medicina é um curso, uma profissão que é bem ampla, então estou aberto a todas as possibilidades. Por enquanto, estou recém começando o curso, mas já penso em cirurgia ou, quem sabe, oncologia, que são aquelas nas quais tenho bastante interesse, mas estou disponível para aprender, ainda não defini.

UNIVERSITÁRIO: Quais são teus planos?

VITOR: Aproveitar o máximo o que o curso de Medicina tem para me oferecer. Já que estou numa ótima Universidade, acho que oportunidades não irão me faltar. Pretendo me especializar fazendo uma residência; quem sabe, me engajar em mestrado e doutorado depois e, enfim, ser um ótimo profissional. Penso em fazer intercâmbios. A UFRGS tem essa possibilidade de fazer intercâmbios pelo curso de Medicina em si. “No primeiro momento, tu não acredita, tu fica em dúvida: Será que eu passei mesmo? Será? Sei lá, parece um sonho”

“No primeiro
momento, tu não
acredita, tu fica em
dúvida: Será que eu
passei mesmo? Será?
Sei lá, parece um
sonho”