Guia para a escolha da faculdade certa

Tão importante quanto o curso é a seleção da instituição de ensino superior. No Guia, as principais dicas para tomar uma decisão consciente.

uma

A primeira coisa a saber é se a instituição tem permissão para a oferta de cursos de ensino superior e se seus diplomas têm validade. O responsável por essas informações é o MEC (Ministério da Educação). A pasta mantém a página de consulta e-MEC com informações de todas as instituições de ensino superior do país e os cursos reconhecidos pelo ministério.

Quem ainda não tem uma lista de instituições para consultar, pode buscar no site do e-MEC pelo curso e descobrir quais as faculdades que ofertam a carreira em sua cidade, se as instituições são públicas ou privadas e se os cursos são gratuitos ou pagos.

Cursos 100% reconhecidos pelo MEC

Para que o diploma de graduação tenha validade, é preciso que o curso seja reconhecido pelo MEC. Cursos novos recebem apenas a autorização para sua abertura. O reconhecimento só pode ser pedido pela instituição quando os estudantes da primeira turma tiverem completado, ao menos, 50% da carga horária. Assim, escolher um curso autorizado é assumir o risco de receber um diploma sem validade caso o curso não seja aprovado na avaliação.

Quando a instituição diz que os cursos são 100% reconhecidos pelo MEC significa que todos os seus cursos concedem diplomas com validade e não há nenhuma carreira nova na instituição que ainda precise ser avaliada.

Nota positiva do MEC

Nota máxima ou nota positiva na avaliação do MEC são termos comuns em publicidades de faculdades de todo o país. Antes de usar a avaliação como critério, é preciso saber o que é que ela avalia e qual é a escala de notas. Segundo a assessoria de imprensa do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), a propaganda deve deixar claro qual é a avaliação destacada no comercial. O ministério é o órgão responsável por avaliações periódicas dos cursos e das instituições de ensino superior. As principais notas divulgadas pelo MEC são o IGC (Índice Geral de Cursos), que julga a qualidade das instituições, e o CPC (Conceito Preliminar de Curso), que avalia cada um dos cursos de graduação do país.

Os índices consideram o desempenho dos alunos no Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), a infraestrutura do curso e a titulação do corpo docente, entre outras coisas. A escala dos dois índices vai de 1 a 5, sendo que a nota 3 é a mínima exigida para que um curso seja considerado de qualidade satisfatória e 5 é a nota máxima. Os conceitos 1 e 2 são considerados insatisfatórios e podem levar o curso ou a faculdade a seu fechamento. Assim, se a instituição tem um curso nota 3, isso significa que a carreira tem qualidade satisfatória para que o curso possa ser ofertado. Mas essa é a nota mínima para que o curso passe pelo crivo do MEC.