Comentários desativados em Um AAS a cada três dias pode reduzir o risco de infarto e AVC

O ácido acetilsalicílico (AAS), também conhecido como aspirina, é utilizado por pacientes de risco, para prevenir infarto, acidente vascular cerebral (AVC) e doença vascular periférica.

No entanto, ele pode causar complicações gastrointestinais. Segundo os pesquisadores, reduzir a dose de diária para uma a cada três dias mantém a eficiência sem agredir o aparelho gástrico.

“Há 50 anos o AAS tem sido adotado na prevenção de eventos cardiovasculares, ...

Leia mais

Comentários desativados em Brasileiros criam nanopartícula que pode inativar vírus HIV

Pesquisa conduzida por pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) pode permitir que vírus sejam desativados

Para se reproduzir no organismo, um vírus passa por um processo de adsorção (ligação) das suas partículas às células infectadas, conectando-se a receptores da membrana celular...
Leia mais

Comentários desativados em Medicina da Unicamp cria projeto para ensinar empatia e compaixão a alunos

O projeto utiliza debates sobre ética e simulação de consultas com atores para treinar a habilidade de comunicação dos alunos

No início do curso, Rafael Gomes queria ser como Hunter “Patch” Adams, médico americano cuja história virou filme, conhecido por seu estilo baseado no afeto e na proximidade com os pacientes.

Com o tempo, viu que o mais provável seria virar um Dr...

Leia mais

Comentários desativados em Legiões de nanorobôs atingem tumores cancerígenos com precisão

As legiões de agentes nanorrobóticos são, na verdade, compostas de mais de 100 milhões de bactérias flageladas – e, portanto, autopropulsionadas – e carregadas com drogas que se movem pelo caminho mais direto entre o ponto de injeção da droga e da área do corpo para curar.

Pesquisadores da Escola Politécnica de Montréal, Universidade de Montréal e da Universidade McGill conseguiram um avanço espetacular na pesquisa sobre o câncer...

Leia mais

Comentários desativados em HIV é removido de células por meio de edição genética

Cientistas desligaram totalmente a multiplicação do HIV

Imagine pegar uma célula humana, tirá-la do corpo, alterar sua função e colocá-la de volta para evitar a multiplicação de uma doença. Foi isso que pesquisadores da Universidade Temple, EUA, fizeram para remover células da aids. Eles eliminaram o HIV a partir do genoma de células humanas. E o melhor, quando essas células foram expostas ao vírus, estavam protegidas contra a reinfecção.

O método...

Leia mais