Rotina do Estudante

Como se dá a formação do médico?

Quem ingressa em uma faculdade de medicina logo percebe as carências materiais, o denodo dos professores, e vai entendendo que a exclusão não é de agora. Os cadáveres nos quais os estudantes iniciam o aprendizado de anatomia são de indigentes e devemos respeitar aquelas peças anatômicas como partes de um corpo que teve vida, muito provavelmente só conheceu dificuldades e amarguras, para chegar a ser doado a uma faculdade por não ter quem reclamasse seu cadáver.

Paralelamente ao estudo de anatomia, o acadêmico toma contato com o estudo microscópico dos tecidos de que são constituídos os órgãos (fígado, coração, pulmões, etc.), para que possa conhecer sua estrutura e, mais adiante, compreender as alterações que as doenças causam na mesma, dificultando ou impedindo que determinado órgão desempenhe sua função satisfatoriamente (hoje temos o recurso dos transplantes dos mais variados órgãos).

Após estudar anatomia, histologia (estrutura microscópica), fisiologia (estudo de como funciona o organismo), com matérias afins correlatas, muito importantes, o estudante de medicina vai começar a examinar as pessoas que padecem de doenças e que freqüentam os ambulatórios e as enfermarias dos hospitais de clínicas.

Aqui também o acadêmico estará examinando um indivíduo excluído, que esperou meses ou anos para ser atendido, e se submeterá a ser examinado por vários estudantes, em momentos diferentes, respondendo às mesmas perguntas com paciência, sujeitando-se a toda sorte de desconforto, nem sempre tratado com o respeito que merece.

Após estudar clínica médica, passando por uma visão de suas várias especialidades, cirurgia, ginecologia e obstetrícia, pediatria não conheço a grade curricular de hoje, mas imagino ser bem mais extensa), o estudante de medicina escolherá uma especialidade e terá que desenvolver estudos específicos e mais aprofundados em seu internato e residência médicas.

Em toda sua formação, o estudante de medicina é apresentado (se ainda não se interessava em conhecê-la) à realidade trágica: o pobre, o miserável, foi quem emprestou seu cadáver, seu corpo debilitado pelas doenças, muitas vezes causadas por falta de condições dignas de vida, como moradia, água tratada, destino correto dos dejetos, condições de trabalho seguras, quando há trabalho.

Entendo que o exercício da medicina, divorciado de uma luta constante pela melhoria das condições de vida de toda a população, não torna tão nobre seu labor. Temos de lutar e muito para sermos valorizados e termos um ganho que satisfaça às nossas necessidades materiais, mas não podemos voltar as costas para um estrato social que foi o único que proporcionou o nosso aprendizado, daí minha dificuldade em entender como podemos fazer parte de uma mesma categoria profissional, com objetivos tão díspares.

As elites se organizam (não adianta pôr a culpa só nos políticos) de forma a garantir seus ganhos financeiros, sem nada contribuírem para uma efetiva transformação na qualidade de vida das camadas excluídas.

Grade Básica do Curso de Medicina:

  • Anatomia
  • Obstetrícia e Ginecologia
  • Iniciação ao Exame Clínico
  • Ciências Fisiológicas
  • Ciências Morfológicas
  • Bioquímica
  • Pediatria
  • Patologia
  • Histologia
  • Biologia Celular e Molecular

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>